A inspiração para fazer esse artigo veio do colega JS que é membro do meu grupo no WhatsAPP, o GEST. Vou colocar só as iniciais do nome dele para preservar a privacidade.

Olha o que o JS compartilhou conosco lá no GEST:

“… um motorista não respeitou a sinalização de transito e colidiu com outro veículo. Agora vão descontar os reparos do mesmo e querem que eu aplique uma advertência nele.”

O que vamos discutir nesse artigo é se o TST deve aplicar advertência.

Depois que ler o artigo não esquece de colocar sua opinião aqui embaixo nos comentários.

Ao ler o comentário do JS eu fiquei pensando:

Será que o funcionário que causou o acidente não possui gerente?

Por que o gerente deste funcionário junto com o gestor de Recursos Humanos não poderia ter dado essa advertência?

Por que será que pediram para o Técnico de Segurança?

Para não correr o risco de escrever bobagem aqui, eu fui conferir o CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) do TST.

Em resumo, as atribuições do TST, segundo o website da FENATEST (Federação Nacional dos Técnicos em Segurança do Trabalho), são:

  1. Elaborar e participar da elaboração da política de SST.
  2. Implantar a política de SST.
  3. Realizar auditoria, acompanhamento e avaliação na área de SST.
  4. Identificar variáveis de controle de doenças, acidentes, qualidade de
    vida e meio ambiente.
  5. Desenvolver ações educativas na área de SST.
  6. Participar de perícias e fiscalizações.
  7. Integrar processos de negociação.
  8. Participar da adoção de tecnologias e processos de trabalho.
  9. Gerenciar documentação de SST.
  10. Investigar acidentes.

Por enquanto, nenhum sinal de advertência.

Vamos investigar melhor o item 5 que trata de desenvolver ações educativas.

“DESENVOLVER AÇÕES EDUCATIVAS NA ÁREA DE SST

  1. Identificar as necessidades educativas em SST.
  2. Promover ações educativas em SST.
  3. Elaborar cronograma de ações educativas de segurança e saúde do
    trabalho.
  4. Elaborar recursos e materiais didáticos de ações educativas de
    segurança e saúde.
  5. Interagir com equipes multidisciplinares.
  6. Disponibilizar material e recursos didáticos.
  7. Formar multiplicadores.
  8. Implementar intercâmbio entre técnicos de segurança do trabalho.
  9. Difundir informações.
  10. Utilizar métodos e técnicas de comunicação.
  11. Avaliar ações educativas de segurança e saúde.
  12. Participar dos programas de humanização do ambiente de trabalho.
  13. Orientar órgãos públicos e comunidade para o atendimento de
    emergências ambientais.
  14. Participar de ações emergenciais.”

Bem, seguimos sem nenhum sinal de advertência.

E de fato, não tem que ter.

Não é papel do TST aplicar advertência.

Na minha opinião, ao pedir para o TST aplicar a advertência nesse caso, o RH está fugindo de sua competência.

Na situação relatada, o gestor direto do funcionário em conjunto com o RH poderiam cuidar disso, sem usar o TST como “bucha”.

Deixa-se o TST numa situação “pior” com o empregado enquanto quem deveria de fato agir “faz de bonzinho”.

Infelizmente, muitas empresas tem essa cultura, e é difícil mudar. Mas, há de se lutar para mudar isso.

E você, qual a sua opinião? O TST deve aplicar advertência? Existe alguma situação que você já viveu onde fez sentido isso?

Digite nos comentários.


Herbert Bento
Herbert Bento

Gostou do artigo? Então deixe um comentário! Aproveite também e visite nossa seção com Materiais Gratuitos de SST.

Comentários

    89 comentários sobre "TST deve aplicar advertência?"

    • willian

      já vivenciei uma situação dessas, porém cabe a nós técnico de segurança, promover e prevenir a segurança, algo a ser questionado seria a politica e código de conduta da empresa em particular, assim, não causando o constrangimento ao profissional da area de segurança do trabalho, e se fosse a mim nessa questão, mostraria exatamente como foi colocado em seu artigo para a empresa.

      • Herbert Bento

        Willian, obrigado por agregar em nosso debate.

    • Fabio

      Boa tarde.

      Trabalho do técnico e notificar, educar e contribuir com ações neste caso corretivas, para que não venha se repetir.

      • Herbert Bento

        Fabio, obrigado por comentar.

    • Marluci

      Olá, pelo meu pouco conhecimento não é atribuição do TST aplicar advertência, e sim promove eventos de concientiza dos risco, torna o local mais seguro e propício para o trabalho, investigar casos de acidente e relata eventos do trabalho e investigações feitas entre outros.

      • Herbert Bento

        Marluci, obrigado pelo comentário.

    • josereistec@hotmail.com

      Bom dia pessoal! Acho desgastante o Técnico aplicar advertência,esta advertência deverá estar prevista na ordem de serviço da empresa.O que o Técnico pode fazer é quando verificar alguma alguma não conformidade,informar ao setor responsável, que o colaborador não cumpriu as normas de segurança da empresa e,a empresa (RH)aplicar a medida disciplinar.

      Att,

      José Reis

      • Herbert Bento

        José, obrigado por seu comentário!

    • Jacinto Ferreira Neto

      Bom dia a todos, esta provocação foi bastante produtiva, quando lemos os comentários. No meu ponto de vista devemos utilizar a Ética em nosso favor, nada de criticar e expor nossos colegas de profissão. Orientar e apresentar sugestões é muito importante, principalmente quando da utilização da “Ordem de Serviço”, que vai assinada pelo empregado, empregador e TST, é o documento que nos protege e nos dá sustentabilidade perante a justiça. No caso de dar advertência é prerrogativa da empresa e de seus representantes legais, se o TST for um deles nada mais justo que o faça.

      • Herbert Bento

        Jacinto, muito obrigado por agregar aqui em nosso artigo!

    • alessandro090676@gmail.com

      Neste campo segurança do trabalho é importante registrar que a administração de advertência pode ser uma regra de segurança.
      Partindo deste princípio que a equipe de segurança por princípio deve atuar na proteção e prevenção da saúde dos trabalhadores.
      Vejo que a atuação da equipe de segurança não advertir. Mas investigar em profundidade qual o motivo que levou o motorista a cometer este erro. Seria o tempo? Seria a multa a empresa? Seria a jornafa de trabalho? Seria um atraso no decorrer do percurso? Um acidente uma obra por exemplo? Seria um pneu furado? O que ocorreu de diferente naquele dia que levou ao erro. Mas se for erros consecutivos porque a empresa permanece com o trabalho? Seria porque ele entrega no horário a maioria das vezes e dai quando ocorre o erro o TST o culpa.
      Respondendo esta pergunta para atingir o objeto da prevenção é preciso investigar em profundidade. E dar um parecer ao setor responsável para criar ações protetivas e preventivas ou em casos extremos punições. Se a punição for a regra a prevenção não existe uma vez que a cultura da empresa não apreende apenas pune! Haja assunto espero ter contribuído.

      • Herbert Bento

        Alessandro, obrigado por seu comentário.

    • Sérgio Francisco Arruda

      Quem deve aplicar advertência é do DP, por ordem ou solicitação expressa da chefia imediata (gerente, supervisor, etc…). O papel do TST é prestar consultoria. Nós apenas podemos sugerir, mesmo assim “entre linhas”, a aplicação das punições cabíveis na lei. Cabe salientar que todo TST experto, cria ferramentas para atender isto, sendo, uma das metodologias mais eficazes a Ordem de Serviço, que preverá advertência em caso de descumprimento, e, nesta Ordem de Serviço, citar de onde partirá a advertência.
      Um abraço a todos

      • Herbert Bento

        Sérgio, amei a ideia de prever a advertência na ordem de serviço, incluindo quem deverá aplicar.

    • maria aparecida dos reis

      boa tarde concordo com companheiro de profissão Dirson Oliveira não vejo problema algum do TST aplicar advertência dentro da sua área, igual ao meu caso trabalho na construção civil e o encarregado geral deixa correr solto em questão da segurança, ele presta serviços p a empresa através de contrato, se eu não cobra isso quem vai , claro que entro em contato com a Engenheira e exponho o acontecido e comunico que é de necessidade da advertência devidos as quantas vezes foi advertido verbalmente, E também Primeiro claro o TST chega perto do colaborador e explicar sobre a advertência e porque já apliquei varias e os próprios colaboradores assinavam e ainda concordava que estava errado. Depende do jeito que TST chega no colaborador estou nesta área desde 2010 e nunca tive problemas. As vezes tenho obra em outra cidade e como esperar pelo RH.

    • Nilton

      Orientar e coordenar o sistema de segurança do trabalho, investigando riscos e causas de acidentes, analisando esquemas de prevenção. … Propor normas e dispositivos de segurança, sugerindo eventuais modificações nos equipamentos e instalações e verificando sua observância, para prevenir acidentes.
      Não sou a favor de punição direta!

    • Boa noite pessoal!
      Trabalho na área da Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho há alguns anos e com relação a provocação do Herbert devo dizer que sempre me orgulhei de fazer o dever de casa.
      Evoco aqui, com a licença de meus colegas a primeira e mais importante Norma Regulamentadora que trata nada menos do que de RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS. Nosso papel é multiplicar o conhecimento prevencionista, trazendo o maior número de parceiros possível dentro da população laboral neste intento.
      Na primeira e mais importante das Normas Regulamentadoras, em seu item 1.7 é referida a obrigatoriedade da Ordem de Serviço, ou seja esclarecer os riscos característicos das atividades do trabalhor, bem como suas responsabilidades perante estes.
      Nada mais justo de que um TST esperto e conhecedor de seu ofício, adaptar esta “ordem de Serviço” à necessidade da empresa, criando o que gosto de chamar de “Ficha Ocupacional” onde transcrevo um termo de responsabilidade, que é assinado pelo trabalhador, uma vez que recebe seu equipamento de proteção devidamente dimensionado ao risco e com o treinamento adequado para utilização, conservação, etc… Neste termo também, deve constar sobre a possível utilização de veículos da empresa e todas os possíveis eventos desagradáveis que possam acontecer e qual a responsabilização das partes.
      Simples assim. O trabalhador deve ser co-responsável e isto deve ficar muito claro para que se evite litígios desta natureza.
      Uma vez co-responsável, porquê o TST tem de fazer o papel de carrasco ou de aplicador de advertência, o que com certeza é papel da Gerência de Recursos Humanos?
      Tudo que é combinado, sai mais barato e com certeza é menos desgastante. Para ambas as partes!

      • Herbert Bento

        Isabel, excelente contribuição. Muito obrigado!

    • Glicério

      Boa tarde a todos. Pelo meu entendimento o TST não tem competência para aplicar qualquer tipo de advertência, seja na área da empresa ou fora da mesma. Deve sim, orientar e treinar o colaborador para fatos referente a saúde e segurança no trabalho. O funcionário poderá ser punido em três esferas; ADMINISTRATIVA: aplicada pelas autoridades de trânsito e que envolvem multas, suspensão no direito de dirigir, cassação, da habilitação etc, CIVIL: aplicada pela justiça e que envolve indenização a terceiros e CRIMINAL: aplicada pela justiça em que envolve desde prisão até prestação de serviços comunitário e complementando com a esfera TRABALHISTA; artigo 482 parte final da letra B que constitui a justa causa da rescisão do contrato de trabalho pelo empregador por ter cometido a infração em dirigir veiculo com negligencia, imperícia ou imprudência. Com o que foi exposto pelo colega, que será cobrado pelo empregador do empregado com a finalidade de ressarcir os danos, ainda tem um adendo sobre este fato, de consultar se há acordo coletivo de trabalho da categoria que autorize tal penalidade. Dentre tantos fatos, na minha humilde opinião, quem tem que decidir sobre a advertência é seu chefe imediato e o RH, como foi dito em comentários anteriores. E se permitem uma dica ou um lembrete, não deixem de emitirem OSs sobre as orientações e ações, para no amanhã o colaborador não alegue falta de conhecimento.

      • Herbert Bento

        Glicério, muito boa colocação. Obrigado!

    • Aguinaldo

      Técnico de Segurança não deve aplicar advertência e sim a empresa.

    • José Antonio Outeiro Vargas

      Parabéns pelo alerta. Acredito não ser esta nossa função dentro de uma corporação. Nossa função é mais educativa e não punitiva. Já temos alguns adjetivos comuns a nossa profissão como “chato, enjoado, emplicante, puxa saco da empresa e etc”, então, para que procurar aumentar mais alguns. Conforme ditado popular cada macaco no seu galho.

    • ADRIANO

      BOA TARDE , MEU NOME E ADRIANO SOU TST NA ATIVA, EM MINHA OPINIÃO NAO VEJO PROBLEMAS EM SER FERRAMENTA INSTRUTIVA, COLABORADORA , FORMADORA DE OPNIOES E DE SER EDUCATIVA CORRETIVA E PUNITIVA . O QUE TEM DE SER MUDADO E ESTA IMAGEM DO TST SER O CHATO . EM MINHA EMPRESA SOU O AMIGO DO POVO , EDUCADOR E DICIPLINADOR QUANDO NECESSARIO.

    • Cleber Martins

      Olá Bom dia.
      Riquíssimo material de aprendizagem e discussão de temas relevante, Acredito que não temos que aplicar a advertência, porem precisamos relatar os desvios, enviando em forma de relatório para a criação da notificação e respaldando a área da segurança, mostrando que a segurança esta cumprindo com a obrigação de vistorias diretas e etc. por ex. a alguns dias atras esta acompanhando uma obra, ao qual em uma movimentação de manobras de deslocamento considerável em distancia, nossa plataforma teria de se deslocar para outro ponto da fabrica, o operador queria fazer a movimentação com o equipamento ao contrario de estipulado pelo equipamento, foi observado e feito um relatório de não conformidade e enviado ao responsável direto do operador.

      • Herbert Bento

        Cleber, obrigado pelo relato!

    • Marcio Martins

      boa dia!
      Já passei por situação similar, onde um colaborador, fez o uso incorreto de um hidrante. Solicitei ao meu coordenador que fosse aplicado uma medida a este colaborador. Prontamente o responsável pelo R.h e meu coordenador aplicarão esta advertência. Acompanhei todo o processo, somente para deixar claro ao colaborador que ele estava sendo advertido pelo R.H, por ter descumprido as normas de Segurança da Empresa, em momento algum apliquei esta medida diretamente ao colaborador, pois no meu ponto de vista quem deve aplicar medidas é o R.H.

      • Herbert Bento

        Marcio, obrigado pelo relato. Achei boa maneira como conduziu o processo.

    • Maria de Fátima Neves

      Parabenizo à equipe pelos posts, artigos e orientações , tão necessários, quantos importantes para o nosso dia-a dia.
      Obrigada manter o meu endereço no banco de dados de vocês. Abraços

    • Maria de Fátima Neves

      Saudações Prevencionista!
      Ótimo e providencial esse artigo. Muitas são as vezes que colegas de profissão se valem de apoio do RH, para aplicar de forma (i)legal , no sentido amplo da palavra, advertências nos colaboradores. A competência dos integrantes do SEST é orientar , treinar e manter relações de entendimentos com os, demais, colegas de trabalho como forma de imprimir um conceito prevencionista para resguardo de sua saúde e integridade física. Acontecido o infortúnio , a cada uma das partes , SESMT, RH, cabe fazer as suas avaliações e tomada de decisão. A nós, TST, fica a parte de analisar as causas que contribuíram para a ocorrência e implementar ações para que evento de mesma natureza ou não seja evitado novamente.

      • Herbert Bento

        Obrigado Maria!

    • Mario Lucio de Assis

      Bom dia. O tst como vimos não tem esta competência para aplicar a advertência muito bom o artigo.

    • Geovana Vargas

      Bom dia !
      Acredito que cada setor é responsável por sua equipe ou assunto, na parte de saúde e segurança, orientações não obedecidas que causam danos a toda equipe, penso ser de responsabilidade do TST aplicar a advertência disciplinar, pois e de competência dele manter um ambiente seguro.

      • Herbert Bento

        Geovana, obrigado pela participação.

    • Dirson Oliveira

      Olá bom dia. Herbet Bento!

      No meu ponto de vista TST não teve aplicar advertência em outras áreas ou ocorrência fora da área de segurança do trabalho, mais quando a ocorrência é referente a nossa área eu acho normal. Exemplo; Numa inspeção de rotina dentro de uma empresa nos abordamos um cidadão não utilizado seus EPI’s obrigatório para sua função, sendo incidente desta situação, eu acho normal nos TST já elaborar e aplicar a advertência, pois se formos solicitar ao RH pode demorar algum tempo e acabamos perdendo a chance de já punir o cidadão infrator.

      • Herbert Bento

        Dirson, concordo que quanto mais “em cima do lance” melhor. Porém, penso que na presença do supervisor imediato seria melhor. Abraço!

    • Ângelo Romão

      Ao meu ver, se o ato de indisciplina for relacionado a sst , nós que somos da área temos total ligação na hora de aplicar advertências, uma vez que nem o RH nem o DP tem conhecimento suficiente das normas que foram infrigidas pelo trabalhador.

      • Herbert Bento

        ângelo, obrigado pelo ponto de vista!

    • Denilhos Paulo de Assis

      Saudações!

      Acerca do tema, o profissional Técnico de Segurança do Trabalho não é o responsável direto pela aplicação da advertência ao empregado. Mas penso que pelo fator de treinar,orientar,acompanhar o funcionários isso na indústria onde o contato entre o Técnico e os colaboradores é permanente fica mais obvio que o técnico tem mais condições de aplicar a advertência sempre explicando o motivo e orientando e corrigindo para que tais fato não ocorra. É assim que penso. Mas posso rever meu conceito.

      • Herbert Bento

        Denilhos, obrigado pela participação!

        • Nilton

          Acredito que devemos, ser mentores toda causa tem um efeito e todo efeito tem uma causa. Existem ferramentas para trabalhar intensamente na conscientização de todos envolvidos.
          Nossa é nosso papel advert, nossa meta sanar ou mitigar os riscos.
          Não sou a favor de punição direta, sou a favor de orientar, treinar, fazer simulados, buscar mecanismo simples e coerente com a realidade de cada cenário…
          Bom dia a todos Precencionista!

    • marcuslimatst@gmail.com

      Bom dia, eu particularmente como TST prefiro aplicar advertências, já que minha empresa autoriza isso, porém solicito a presença do gestor imediato na aplicação, acredito que essa ação seja mais impactante para o colaborador, e mostra mesmo que de forma meio “forçada”, a imposição e autonomia do TST, conseguindo assim manter a melhor disciplina dentro do grupo, é claro que isso após tomar todas as medidas cabíveis, citadas acima!

      • Herbert Bento

        Marcus, obrigado pelo comentário.

    • Fernandoguerra2010@live.com

      Bom dia!!Tenho clara convicção e concordo plenamente que nós técnicos em Segurança não devemos aplicar advertências por escrito,pois acredito muito que devamos promover a conscientização do colaborador da melhor forma possível, muitas vezes os gerentes e encarregados fogem da responsabilidade, existem casos que os mesmos são os primeiros que não dão exemplo da segurança não usam nem EPI”s o conflito é muito grande , ai como vamos aplicar advertência em em fusionário se os principais responsáveis não usam !!!!

      • Herbert Bento

        Fernando, obrigado por sua participação no debate!

    • Celso

      Quem aplica advertência, no âmbito trabalhista, é LÍDER, SUPERVISOR, GERENTE e DIRETOR, uma vez que TST é um ASSESSOR, em TERMOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Os donos da área, sabem quem é quem.

      • Herbert Bento

        Valeu Celso!

    • Marcos

      Como foi visto no artigo não é de competência do TST advertir quem quer que seja, e sim orientar, fiscalizar e implementar politicas de segurança.

    • Alexandre Péricles

      Saudações!

      Acerca do tema, o profissional Técnico de Segurança do Trabalho não é o responsável direto pela aplicação da advertência ao empregado. A este (TST), cabe, dentro do meu ponto de vista, realizar orientações (treinamento formal, reunião, ou mesmo conversa particular com o indivíduo) e deixar claro: as condutas assertivas relacionadas a profissão (ou atividade), assim como tão importante seja discutir falhas na atividade e as consequências que poderá acarretar tanto para ELE PRÓPRIO, quanto para a entidade que está contando com os serviços deste. Advertências, seja de qualquer tipo, somente vinda do RH e/ou superior direto.

      • Herbert Bento

        Alexandre, muito bem colocado!

      • Maria alves

        Muito bom as informações. Preciso me internar mais do assunto, até então acreditava que seria atribuições de nós TST,s.

    • Marco Antonio Bernardes

      Boa Noite. Atuando na área desde 1984, vivenciei inúmeros casos como o descrito. Mas tenho a convicção de que realmente cabe ao Superior imediato juntamente com o Departamento Pessoal a aplicação da advertência, inclusive quando a falta for diretamente motivada por descumprimento as Orientações e ou Treinamentos internos já ministrados pelos TST. Por vezes os superiores não tomam a iniciativa para não “Queimar” a sua imagem diante dos seus subordinados.

      • Herbert Bento

        Marco, obrigado pelo comentário!

    • Johan willamy

      Cada um tem sua opinião, cada intuição é um caso, passei recentemente por uma igual essa, ministrei treinamento de segurança para trabalhadores colheita de cana manual e nesse treinamento falamos do uso da luva de fio de aço no momento de afiar o facão, só que tinha umas figuras que não utilizavam e acabavam se cortando.
      Depois de muita insistência resolvi pedi o rh uma advertência para eles e eu mesmo fiz questão de leva pra assinarem
      Para eles perceberem que não estava brincado
      Agora tudo mudou todos utilizam a luva agora.

      • Herbert Bento

        Johan , obrigado por agregar novas informações aqui no nosso artigo!

    • Alexandro Ribeiro De Queiroz

      Boa noite !
      Se vai descontar os danos no salário dele não precisa de advertência o desconto já serve como punição

      • Herbert Bento

        Oi Alexandro, me permita discordar. Eu penso que para melhor efeito, ambos são necessários.

    • Esdras Candido

      Boa noite a todos! ótimo post. Então contar 2 experiencias: 01- Ao ser contratado perguntei como funcionava a questão de advertência na empresa, o chefe ” Aqui você e quem manda pode aplicar advertência quem estiver sem EPI´s” ok ate ai…. Mas passou os dias, deparei com situação por falta de EPI, advertir verbalmente e logo posterior por escrito, só que o funcionário que apliquei era “Peixinho” do chefe,,, resumindo fiquei com cara de palhaço na empresa,…. com isso aprendi… muita coisa toda empresa que entro não aplico advertência por escrito, somente verbal advertindo sobre a importância naquele momento.
      Logo entrei em outra empresa, queria que aplicasse a advertência ao funcionário….. levei ate o seu encarregado e trouxe os 2 ao RH… e pedi ao encarregado que contasse o caso pro RH, aplicar advertência… porque não obrigatoriedade por TST aplicar advertência escrita em funcionário porque a nossa visão a conscientizar….

      • Herbert Bento

        Fala Esdras, bom ver você por aqui! Obrigado por compartilhar suas experiências.

    • fabio franco pinheiro costa

      Boa noite Herbert, sou TST há mais de 10 anos, trabalhava numa grande construtora de terraplenagem e saneamento, nesta empresa eu tinha total liberdade para aplicar as advertências, nós tínhamos até o modelo de advertências, a cobrança vinha do diretor da empresa e depois pelo Engenheiro de Segurança. tínhamos resultado.

      • Herbert Bento

        Fabio, obrigado por agregar valor aqui nesse artigo. De fato, podem ocorrer casos onde a advertência funciona.

    • Paulo Altair Araujo Soares

      Olá!
      Quaisquer penas que se devam aplicar ao funcionário que deixa de cumprir regramentos internos ou externos, é de competência do Departamento de Pessoal da Organização (não o de Recursos Humanos, e muito menos do chefe imediato ou gerencia), vez que é quem controla os parâmetros do contrato de trabalho e quem está investido de autoridade pela Direção para a aplicação das advertências e/ou punições. Da mesma forma a aplicação de penalidade por infringência de regramentos externos, cabe à autoridade pública competente.
      A relação dos profissionais de SST e do staff gerencial, coordenador, supervisor ou de chefia, com os funcionários, é no sentido de viabilizar a execução as tarefas atinentes ao processo produtivo da organização, de maneira a alcançar o propósito do empreendimento.
      Cada um aplicará, dentro de sua área de competência, seus esforços físicos e intelectuais com este objetivo.
      Caminhar neste terreno de punições, foge às atribuições de cada função, exceção ao Depto. Pessoal, a quem cabe a atribuição, delegada pela Alta Administração da organização.
      Assim sendo, como o dito popular: “cada um no seu quadrado”.
      O máximo que cada um pode fazer é relatar onde houve a falha, ao que se deveu a mesma e de quem é a responsabilidade por ela.
      Lembrem-se: “Se o indivíduo errou, pergunte por que ele errou” uma vez que o erro dele pode estar ligado a uma falha estrutural que pode estar na chefia, coordenação, supervisão, gerencia, segurança ou na Alta Administração.
      Ao fim e ao cabo vale comentar que “Todo efeito possui uma causa proporcional!”

      • Herbert Bento

        Paulo, obrigado por agregar valor no nosso bate-papo. Quanto ao uso do termo Recursos Humanos, você tem razão. O mais tecnicamente correto é o departamento de pessoal. Usei esse termo genericamente talvez influenciado pelo fato de ter trabalhado em empresas onde o DP era subordinado a diretoria de RH. Novamente, obrigado pelo comentário.

    • Marcos Antonio Dermonde

      Boa tarde. Também penso e acredito que a mesma deva ser elaborada pelo chefe gerente etc. Caberá à nós técnicos entrarmos com treinamento ou capacitação para o funcionário.

    • Erica Ferreira da Silva

      Boa tarde a todos eu também concordo que técnico em segurança do trabalho não deve aplicar advertências escritas, isso cabe a gerência da empresa na minha opinião será mais fácil para o TST lidar com os colaboradores.

    • julio alves

      TST não deve aplicar advertências pelo simples fato que se trata de ação corretiva disciplinar e para isso a hierarquia deve ser acionada.

      • Herbert Bento

        Obrigado Julio!

    • Hugo de Mello Portella

      Olá pessoal. Fui buscas apoio lá na Jusbrasil e olha que encontrei sobre o tema: Todos já sabem isto, mas vamos refletir.
      A advertência é uma medida disciplinar, que integra o poder diretivo/pedagógico do empregador e que objetiva avisar o empregado que ele teve algum comportamento em desacordo com as boas normas da empresa, e que, caso permaneça tal comportamento, ou a ação se repita, a empresa poderá tomar medidas mais drásticas, como a suspensão e, até, a demissão por justa causa.
      A primeira informação importante que o empresário (pode ser o gerente, coordenador, supervisor) deve saber é que a advertência, seja verbal ou escrita, deve ser aplicada de imediato, tão logo o funcionário cometa a falta. Isso porque uma eventual demora em aplicá-la pode caracterizar o que chamamos de “perdão tácito” do empregador, retirando a eficácia da advertência.
      Além disso, a advertência tem que ser objetiva e descritiva. Ela não é uma carta na qual deve-se expressar os sentimentos de repúdio ou desprezo à conduta do empregado. E por que eu falo isso? Uma coisa que percebi é que muitas vezes o funcionário traz tantos problemas para a empresa, que o chefe (vou falar chefe, pois pode ser o dono, o gerente, coordenador ou o supervisor) escreve sua mágoa na advertência, só que isso é errado, e pode, inclusive, gerar uma indenização por dano moral (assédio moral) contra a empresa. Portanto, nada de sentimentos nas advertências, ok?
      Uma advertência objetiva e descritiva deve conter os detalhes do fato, com a data, horário, local do ocorrido e os envolvidos.
      Vale ressaltar que uma advertência que foi aplicada de maneira verbal não pode ser aplicada, novamente, na forma escrita, para que não se configure uma dupla punição do mesmo fato.
      Se for escrita, a advertência deve ser assinada pelo chefe (quem está aplicando) e pelo empregado faltoso. Além disso, o empregado tem o direito de ficar com uma cópia da advertência, mesmo que ele não queira assiná-la.
      Por último, é importante destacar que ficar aplicando várias advertências num curto espaço de tempo não é uma atitude legal, e essa atitude, inclusive, pode ser caracterizada como assédio moral, o que pode levar a um pedido de danos morais e rescisão indireta do contrato de trabalho.
      Por isto que com certeza TST não deveria aplicar a advertência em empregados.

      • Herbert Bento

        Hugo, seus pontos foram muito bem colocados. Bela contribuição, obrigado!

    • Jane Izolete Oliveira de Azevedo

      22/08/2019
      Olá,
      Com certeza,não deve entre todas as coisas listadas que é a nossa obrigação,já é difícil fazer com que o colaborador entenda que a segurança dos mesmos, vem em primeiro lugar.
      Imagina como ficamos se tivermos, que aplicar advertência , vão nos ver com outros olhos!

      Att,

      • Herbert Bento

        Jane, obrigado pela parcitipação.

    • Priscilla

      Para mim quando a falta é relacionada a segurança no trabalho, acho que o técnico deve aplicar a advertência, porém em conjunto com o setor de RH e gestor da área, assim fica claro que todos os envolvidos concordam com a falta ocorrida e sua consequência. E ainda que o gestor não deve ser conivente com situação que possam causar acidentes.

      • Herbert Bento

        Priscilla, assim eu também concordo. Até fica mais forte a advertência.

        • Celso Caetano de Souza

          E quando os patrões e gerentes deixam tudo por conta do técnico? E não assumem seu papel na empresa? è o que acontece muito, principalmente em fazendas aqui em Goiás.

    • Givanildo Ferreira de Jesus

      Boa tarde Herbert
      Mas se o trabalhador cometer uma infração desrespeitando uma uma ordem do TST, por exemplo não usar o EPI o Técnico em Segurança pode aplicar a advertência?

      • Herbert Bento

        Givanildo, pode-se advertir verbalmente, reforçando a importância do uso do EPI. Mas, formalmente, na minha opinião, o correto é o superior hierárquico fazer. Se for no caso de uso de EPI, como você disse, uma primeira conversa imediata já pode ser realizada, sem esperar.

    • Angela

      Também concordo que o TST não deve aplicar advertência. Acredito que gerentes e encarregados ( em maioria) fujam dessa responsabilidade porque eles, em grande parte das vezes, são os principais incentivadores de condutas inseguras ao pressionar produção a qualquer custo.

      • Herbert Bento

        Obrigado Angela!

    • Francielle

      Tenho o mesmo pensamento de que o TST não deve aplicar advertências, porém, contudo, entretanto, todavia, rsrsrs… isso acontece com frequência. A Liderança não entende que eles devem cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e quando houver casos de aplicação de advertência, mesmo a voltada para área de Segurança, eles é quem deveriam aplicar.
      Afinal, todos devem falar a mesma língua.
      Mas é como foi comentado no artigo, eles se fazem de bonzinhos e os TST’s são os vilões.
      Isso tem que mudar.

      • Herbert Bento

        Oi Francielle, tudo bem? Quanto tempo! Feliz de ver que você ainda acompanha meu trabalho! Muito obrigado por seu comentário!

    • Márcia

      Olá Herbert, sou TST a mais de 12 anos e nas empresas que trabalhei sempre apliquei advertência verbal no que compete a segurança (depois informava ao RH e ao líder do funcionário para que ficasse registrado a advertência verbal), mas quando era necessário a escrita sempre foi o gestor e o Rh a aplicar independente do motivo

      • Herbert Bento

        Márcia, muito obrigado por sua participação.

    • Robson

      Não. A advertê.ncia escrita deve ser aplicada pelo superior imediato do funcionário que causou a situação,
      mas como sabemos, não funciona dessa maneira

      • Herbert Bento

        Robson, muito grato por sua contribuição.

    • Herbert Bento

      Olá pessoal, vamos debater esse assunto? Digite seu comentário aqui!

      • Joseilton

        Olá pessoal!

        Na minha opinião o TST não deve aplicar advertência! pois não está no contexto das suas competências, então o que a gerencia e o setor de Recursos Humanos quis fazer nessa situação foi a de tirar o corpo de fora, para que o trabalhador advertido entendesse que o autor da punição fosse o TST.

        Joseilton

        • Herbert Bento

          Obrigado pelo comentário Joseilton!

        • Nilton

          Acredito que devemos, ser mentores toda
          Não sou a favor de punição direta, sou a favor de orientar, treinar, fazer simulados, buscar mecanismo simples e coerente com a realidade de cada cenário…
          Bom dia a todos Precencionista!

      • Sandro Deporte

        Boa tarde. Penso que a advertência é de competência do superior imediato do trabalhador em conjunto com o RH. Os TST muitas vezes já tem uma relação um poucos complicada com alguns trabalhadores que não primam por sua própria segurança. Assumir mais essa tarefa é completamente desnecessário e nada soma na aplicação das ações de SST.

        • Herbert Bento

          Sandro, obrigado pelo comentário!

Use o campo abaixo para deixar sua dúvida, elogio ou sugestão!

Digite seu comentário abaixo. Depois digite seu nome e e-mail (seu e-mail não vai aparecer para outras pessoas).