É meu amigo e minha amiga…

… nunca antes na história desse país a área de Saúde e Segurança do Trabalho passou por tamanha reviravolta.

Pelo menos todo esse “revertério” está servindo para todo mundo praticar a capacidade argumentativa. Quanto tempo fazia que não havia tanto debate, hein?

Sem falar também que as NRs nunca foram tão lidas quanto nos dias de hoje.

O tema do artigo de hoje é um dos que mais fritou meu cérebro ultimamente.

Será o fim do dimensionamento do SESMT?

Eu pensava até que estava lunático.

Mas graças a internet estou vendo que não só eu que estou pensando nisso.

Eu não quero aqui pagar de dono da verdade, mas sim debater com a comunidade.

O objetivo é mais levantar a discussão.

Lá embaixo tem um campo de comentários então fique a vontade para digitar lá sua opinião.

Bem, no dia de hoje a NR-04 que trata do SESMT está em audiência pública. Essa fase está marcada para acabar em 31/08/2019.

E você sabe qual é o item desta NR que mais tem comentários lá no participa.br ?

Trata-se do quadro 2 do dimensionamento do SESMT com, pasmem 276 comentários!

Caso você não saiba que quadro é esse, vou colocar uma imagem aqui embaixo para refrescar sua memória.

Pois é… esse quadro determina quantos funcionários precisarão ser contratados para integrar o SESMT da empresa, de acordo com o grau de risco e da quantidade de funcionários.

Eu fiquei então com mais perguntas do que respostas na minha cabeça e gostaria de compartilhar meus pensamentos com você.

Por que será que tantas pessoas estão preocupadas com esse quadro?

Eu acredito que a maioria dos profissionais entende que esse quadro influencia a quantidade de vagas no mercado de trabalho.

A tendência normal é olhar esse quadro como uma “reserva de mercado”. Prova disso é que entre os comentários tem muitos profissionais como psicólogos, tecnólogos, fisioterapeutas, etc, pedindo para serem incluídos no SESMT!

Tem engenheiro pedindo mais vagas. Tem técnico pedindo para reduzir vaga de engenheiro e colocar mais de técnico.

Algumas vezes parece uma verdadeira briga de foice, cada um defendendo seu pedaço de terra.

Isso explica porque esse item é de longe o mais comentado.

O que mais nos incomoda do que alguém tentando meter a mão no nosso bolso?

Existe chance de acabar o dimensionamento obrigatório?

Na minha opinião, a resposta é sim.

Veja bem, não estou dizendo que vai acabar a profissão.

Só penso que existe a chance de acabar o dimensionamento obrigatório, deixando a cargo da empresa decidir quantos profissionais deve contratar.

Por que estou falando isso? Porque temos como Ministro da Economia o Paulo Guedes, que tem um pensamento liberal na economia. O mercado se “auto-regula”.

E a cabeça de um liberal funciona assim: as leis estão aí, as empresas conhecem as leis, elas que contratem da maneira como acharem melhor desde que cumpram as leis.

Dentro dessa linha de raciocínio, não faria sentido uma tabela de dimensionamento obrigatório.

Porém, há uma outra linha de raciocínio que vai no sentido oposto.

Essa outra linha de pensamento funciona assim:

O governo gasta com adoecimentos e acidentes. Então, mais profissionais no SESMT significaria economia para o governo.

E aí, qual vertente vai ser majoritária no final?

Faz sentido o dimensionamento nos dias de hoje?

Imagine duas empresas, com mesmo grau de risco e com a mesma quantidade de funcionários.

A empresa A tem muitos adoecimentos e acidentes, várias CAT abertas.

A empresa B não teve nenhum registro de doenças/acidentes em 2 anos.

Por que as duas empresas devem dimensionar o SESMT igual?

Não era de se esperar que a empresa A precisa investir mais para corrigir seus problemas, enquanto a empresa B posso investir menos?

Outra questão é: as exigências empresariais no final da década de 70 são muito menores do que hoje em dia.

A demanda de trabalho para o TST ou EST hoje é muito maior, ficando mais difícil dar conta de tudo.

Muitas vezes a área de Meio Ambiente também fica subordinada a área de segurança do trabalho na empresa.

Na verdade, por esse ponto de vista, se for para mudar esse quadro deveria ser para aumentar.

Mas, sinceramente, não vejo nenhuma possibilidade de aumentar as vagas hoje em dia.

Como eu já disse, as chances são de reduzir ou manter.

Tanto que tem gente lá nos comentários do Participa.br dizendo mais ou menos assim: “o dimensionamento do SESMT está ótimo, não muda nada não” (tal colocação é uma profunda expressão de desespero).

Quando pensamos que algo vai piorar, o que era ruim passa a ser ótimo, não é?

Esse quadro de fato determina a quantidade de vagas no mercado de trabalho para os profissionais do SESMT?

Essa pergunta é bem difícil de responder.

Tem muitas empresas que contratam mais do que o mínimo porque vêem valor na SST.

Outras, só contratam porque são obrigadas.

Outras preferem o risco da multa e nem contratam…

Qual grupo é maior? Difícil saber.

Mas nem tudo é má notícia.

Há estudos indicando que o seguro de acidente de trabalho pode ser liberado para a iniciativa privada (o INSS perde o monopólio).

Tal fato criaria um mecanismo de mercado onde as empresas com menos acidentes/adoecimentos pagariam menos pelo seguro, valendo a pena investir em SST.

Mas isso será assunto para um outro artigo.

Por hoje, o meu recado para você é: não vai acabar a profissão do Técnico e do Engenheiro de Segurança. Mas o mercado vai se aperfeiçoar, criando mais oportunidade para os mais qualificados.

Numa economia aberta, os melhores profissionais saem na frente.

E você, o que pensa sobre isso?

Será o fim do dimensionamento do SESMT?

Se for o fim do dimensionamento do SESMT, vai aumentar ou diminuir as vagas?

Quero ouvir sua opinião. Sou eu mesmo que leio e respondo todos os comentários.


Herbert Bento
Herbert Bento

Gostou do artigo? Então deixe um comentário! Aproveite também e visite nossa seção com Materiais Gratuitos de SST.

Comentários

    80 comentários sobre "Será o fim do dimensionamento do SESMT?"

    • Eduardo TST

      Creio que sim.

      A tendencia é “desburocratizar” e infelizmente, em 13 anos na profissão, por sempre trabalhar em pequenas e medias empresas, cansei de ouvir que somos contratados “porque a lei manda” . Algumas empresas o tst fica de canto, como um boi de piranha em caso de acidentes, totalmente inerte e sem poder de ação. Vejo que existe a grande possibilidade do fim do dimensionamento, sim. Dando mais força aos terceirizados.

      Será o fim também da estabilidade dos CIPEIROS

      • Herbert Bento

        Eduardo, obrigado por compartilhar sua experiência conosco.

    • Alfredo

      O dimensionamento do SESMT é, e sempre será importante na minha opinião. A composição precisa ser revisada, existem muitos profissionais no mercado que dará mais suporte para setor. Um outro ponto absurdo na norma, a mesma estabelece a carga horário do tecnico, porém os profissionais não tem um piso nacional estabelecido, existem muitas coisas a mudar, no meu ponto de vista deveria revisar a carga horária do técnico e estabelecer uma dinamica para o trabalho. Infelizmente muitos técnicos padecem por conta de um salário qualquer desvalorizando a profissão e o profissional, por conta da carga horário, não há possibilidade de outras portas. Tem que haver mudanças.
      Parabéns pela exposição da informação.

      • Herbert Bento

        Alfredo , obrigado por seu comentário.

    • AVANILDO TEIXEIRA

      Ótimo artigo,
      Apesar de ser o desejo de grande parte do monopólio empresarial, que entende que gastar dinheiro com a segurança é um mau necessário, no qual eu descorado plenamente.
      pelo contrario investir em saúde e segurança é investimento, estes burocratas que ficam sentado nos gabinetes não conhecem o trabalho importante desenvolvidos pelos profissionais do SESMT, que na maioria das vezes somente são lembrados quando ocorrem um acidente do trabalho.
      Graças a estes profissionais, o Brasil tem conseguido reduzir as estatísticas de acidentes e consequentemente reduzindo o custo Brasil;
      O dimensionamento deveria mudar sim, para obrigar as empresas a contratar o Técnico de segurança do trabalho a partir de 50 funcionários independente do grau de risco.
      O que falta a estes políticos demagogos, financiados pelo capital especulativo é vergonha na cara, falta de compromisso com a prevenção da integridade física dos trabalhadores no chão de fabrica.

    • Marcio Martins

      Boa tarde!
      Vejo da seguinte maneira, com o fim do dimensionamento sera a festa do oba oba para uma boa parte dos empresario, principalmente os que não se importam com a sst. Pois com a obrigatoriedade muitos ja não a cumprem, imagina sem a obrigatoriedade. No caso como dito do nosso ministro Guedes, as leis estão aí, as empresas conhecem as leis, elas que contratem da maneira como acharem melhor desde que cumpram as leis.
      Discordo do pensamento dele pois hoje não temos um efetivo de fiscais para fazer com que cumpram as leis. Então imagina sem esta obrigatoriedade do dimensionamento sem fiscalização com certeza vira sim a festa do oba,oba. Na minha opinião não se deve acabar com o dimensionamento do Sesmet, e sim procurar alternativas para que ele seja melhorado. Ex. hoje atuo como TST em uma empresa de Call Center com 700 colaboradores, e grau de risco 2, o dimensionamento exige apenas 01 tst, porque não 01 tst e um aux. de enfermagem do trabalho, sendo que hoje temos 700 colaboradores. Parabéns Herbert por este artigo.

      • Herbert Bento

        Marcio, obrigado por sua colaboração aqui no nosso artigo.

    • Ramon Luís

      O dimensionamento do SESMT é importante, na minha opinião, deve ser mantido como obrigatório.
      Por tanto, estou de acordo manter o dimensionamento da forma que encontra-se sem nenhuma alteração.

    • Luciano

      Herbert excelente texto, eu só acho que o CREA poderia estar de olho nessas alterações, fazer lobby, afinal de contas para isso que serve associação de classe, infelizmente não vejo notícias a respeito disso.

      • Herbert Bento

        Luciano, realmente. Não vejo nada do CREA sobre isso também. Pelo menos a mim não chegou nada.

    • Nelson Roberto de Limas

      Herbet mudanças virão e com rapidez. Não seremos extintos mas uma coisa é certa, só os melhores ficarão, e muitos Técnicos farão o papel de vários outros Profissionais…..Trabalho em uma Prefeitura e estou a 4 meses, não há nada na área, estou fazendo de tudo para dar uma repaginada….. A Prefeitura pagou o Laudo Ambiental, PPRA e PCMSO, á uma Empresa e estou tomando por base estes documentos, mas tem coisas que não concordo e naõ tenho retorno do Engenheiro…..kkkkkk Somos fortes

      • Herbert Bento

        Legal Nelson, obrigado por sua contribuição!

    • Paulo Velasquez

      Prezados :
      O Empresario deve ser livre para tocar seu negócio e assumir responsabilidades pelos custos de seu Negocio . Concordam ?
      As NR foram criadas sob um visão de custos altos pagos pelas Seguradoras pelo alto numero de acidentes – óbitos ou de afastamentos – que eram repassados para os órgãos públicos da Seguridade Social e isto fez com que o Presidente estimula-se a criação de NR( alem do nosso Cliente na Europa e EUA ja tinham consciencia destes custos públicos e privados ).
      As NR são importantes ´para regulamentar e ajudar aos Empresários, a reduzir os efeitos negativos e monetários das perdas – humanas, perda de produtividade ou perdas materiais e perda de clientes .
      AS NR soa importantes para reduzir custos ao Governo , na redução de pagamentos de internamentos ou de aposentadorias por invalidez precoce .
      AS NR sao importantes para as Seguradoras privadas, na redução de custos no pagamento de prêmios em caso de sinistros .
      O Quadro 2 do SESMT foi uma indicação da época – 1978 – minimo – para uma Empresa possa ter profissionais compromissados com a Gestao de SSO.
      Mas a área formou muitos muitos profissionais =- muitos sem comprometimento e disputando as atribuições dos outros – sem competências acadêmicas e técnicas de acordo com seus Conselhos de Classe e isto fez a área perder a sua importância perante ao Empresario .
      Muitos colegas da Engenharia formaram em Engenheiro de Segurança e assumiram outras atividades das suas graduação nas Empresas e acham isto correto ???
      Sou a favor das mudanças e mais uniao e mais membros no SESMT, que só aconteceram , se Todos da área do SESMT pararem de reclamar e colocar as suas opiniões na Consulta Publica das mudanças das NR ( esta no Ministério da Economia) que termina em 30 de agosto de 2019.

      • Herbert Bento

        Paulo, novamente obrigado por sua participação!

    • Paulo Assis Hausen Brandão

      Na minha opinião o dimensionamento do SESMT, já está ultrapassado o Governo deve criar mecanismos eficientes para “Premiar”, empresas que realmente trabalham na prevenção de Acidentes e Doenças decorrentes do trabalho ou da atividade profissional,

      Trabalho á 44 anos na área de SST como TST, continuo em atividade e esperando melhorias, trabalhei 41 anos em uma atividade de Grau de Risco 4, Mineração Subterrânea de Carvão Mineral 22 anos e 19 na Mineração á Céu aberto a empresa sempre manteve o corpo técnico com mais trabalhadores do que exigia o Quadro I, até porque alem do cumprimento da NR 22 esta atividade tem que cumprir as NRM (Normas Regulamentadoras da Mineração).

      • Herbert Bento

        Paulo, muito obrigado por agregar conteúdo aqui nesse artigo.

    • Robson Gonçalves

      Boa noite
      Hebert,

      Parabéns pelo artigo em um momento de muitas dúvidas, sou formado e atuante como Téc.Seg.Tralho há + de 20 anos e realmente nunca acompanhei nesta trajetória um debate tão acirrado na área, porém, a NR-4 em consulta pública não se trata da 1 vez. Acredito que o prevenção no Brasil não depende apenas do dimensionamento do SESMT, mas sim, de ferramentas no qual o governo possa penalizar ou bonificar empresas e empresários comprometidos com um ambiente de trabalho seguro e com qualidade para seus colaboradores, afinal, as atribuições dos profissionais em prevenção determinam a assessoria constante sobre os requisitos legais e o poder de convencimento em investimentos na prevenção de acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e a própria imagem da empresa!
      Afinal, os profissionais de prevenção não possuem automia na decisão dos investimentos das empresas. Entendo que o maior aliado dos profissionais de prevenção, ainda é e será o poder de convencimento com muitas estratégias, políticas que resultam em resultados eficientes a pequeno, médio e a longo prazo!

      • Herbert Bento

        Fala Robson, tudo bem? Obrigado pelo comentário!

    • Professor Nilson Ribeiro

      SRS.(as) boa tarde . Acredito muito na força e responsabilidade que a área tem, lembre se que a área é importante também para o Governo, pois os custos diretos e indiretos sobre este, são altos, colocando o governo em check em caso da inexistência da área. Por outro lado com a questão da terceirização aprovada recentemente, o que pode ocorrer e o fim da obrigatoriedade das 8 horas e com isso, podendo os profissionais, dedicarem suas experiências em outras empresas e atividades de consultoria….o que ao meu ver é uma ótima oportunidade para aqueles que como eu, tem experiência em diversos segmentos.

      • Herbert Bento

        Nilson, obrigado por sua contribuição!

    • Gilson

      Olá Herbert Bento, desejo inicialmente parabenizá-lo pelo seu excelente artigo e pelo trabalho que vem desenvolvendo na nossa área.
      Sobre o SESMT quero ser bem direto… Na atualidade estamos vivenciando uma virada no conceito “Capital / Trabalho”, ou seja, há até tres anos passados o empregado meio que “escolhia” onde queria trabalhar, escolhia ou até impunha o salário desde que tivesse um bom currículo e vivíamos sendo indicados para atuar em outras empresas ou OBRAS como foi meu caso por uns doze ou treze anos. Agora de uns dois ou tres anos para cá, quem escolhe é o empregador…tem milhões de desempregados e ao abrir uma vaga, com as mídias divulgando estas vagas, o RH ou DP recebe dezenas de CV’s e tem livre escolha, inclusive, oferecendo salários muito baixos e sem respeitar nem mesmo as tais “convenções coletivas”.
      Mas não estamos discutindo empregabilidade né, mas uma coisa esta diretamente relacionada à outra. Sendo o SESMT dimensionado ou não pela NR-04, a empresa sempre vai decidir se emprega um ou dez TST/EST. Não há fiscalização, não há controle estatístico, não se respeita leis no nosso país e, indepedente de quem seja o governo, no Brasil tenho impressão que isto nunca vai mudar.
      O que estou vislumbrando nestas MUDANÇAS em andamento nas NR’s é sim, uma forma de melhorar a legislação, com menos burocracia, menor exigência, sem exageros como 40 horas de treinamentos por exemplo, mas, com a manutenção de uma lei que exija o mínimo aceitável de ítens de PREVENÇÂO.
      Só gostaria de destacar que vai se manter a PREVENÇÂO nas mudanças se os colegas prevencionistas realmente se manifestarem nestas questões. Eu, apesar de aposentado, estou buscando formas de expor minhas idéias de mudança, tem muita coisa nas NR’s que apesar de ser uma lei muito boa, precisa sim mudar e uma das principais é a exigência, as vezes absurda de 40 horas de treinamento em SST, mas repito, só vai prevalecer a idéia de segurança para o trabalhador se os prevencionistas se manifestarem.
      Me perdoem por isso mas, prevencionista é uma classe que, na maioria das vezes só sabe reclamar do governo mas não participa de nada, com raras excessões.
      Já faz tempo que a segurança do trabalho não é prioridade para governos federais, pensando bem, acredito que nunca foi. Prova disso é a tentaiva de criação do Conselho regional de TST que há anos está aguardando aprovação no nosso glorioso congresso…

      Abraço Herbert e a todos.

      • Herbert Bento

        Gilson, excelente contribuição. Muito obrigado! De fato, se não existe fiscalização em cima do dimensionamento do SESMT, não faz diferença. Para mim as empresas só vão investir mais quando doer no bolso. Temos um judiciário ineficiente e caríssimo, e leis que geram enorme insegurança jurídica. O problema da SST é muito mais profundo do que parece.

    • Felipe Souto

      Excelente trabalho.

    • Eduardo

      Boa Tarde !
      Não acredito que vai acabar com o SESMT, porém vai acontecer uma reformulação da área e podendo sim na minha opinião , alguns profissionais que hoje , não tem lugar poderão surgir com maior expressão podendo citar os tecnólogos , psicólogos e outros.
      Sou Técnico em Segurança do Trabalho, com graduação em Gestão Ambiental e Administração e infelizmente a Segurança do Trabalho, esta tomando rumo diferente de tudo que poderia ser esperado por nós profissionais da área. Atualmente o mercado está saturando não tem vaga ás empresas pagam salários baixos demais e investem o menos possível e não existe fiscalização por parte do Ministério do Trabalho e Emprego.

      • Herbert Bento

        Eduardo, dura a realidade. Obrigado por comentar.

    • Nestor Manoel Gomes Rodrigues

      Boa Tarde!
      Pois é, Herbert não visualizei os outros comentários mas, há de se considerar ainda a questão das empresas prestadoras de serviços, de consultoria e assessoria, que por meio de contrato, assumem a responsabilidade técnica, passam as instruções por meio de documentos que ficam ainda em alguns casos, em gavetas e não são colocados em prática. Há nestes casos que se responsabilizar quem? O profissional que fez, todo levantamento de informações técnicas e elaborou um laudo, fundamentado na real situação do local e por conta deste levantamento assumiu a responsabilidade, de elaborar o documento, pagou ART para comprovação de responsabilidade técnica e não fiscaliza e muito menos exige que o cliente execute, por contada da responsabilidade, que recai sobre quem contrata e sobre quem planeja, as ações, de prevenção que o trabalhador deveria executar, por valorizar o que tem de mais importante. que é a integridade física moral e laboral. De quem é a culpa ou a responsabilidade em decorrência dos, fatos que ocorrem, como limitações de ordem, física moral, laboral e psicossocial.

      • Herbert Bento

        Nestor, obrigado pelo comentário.

    • Francisco

      Herbert, bom dia.
      Tema realmente polêmico, tive uma experiência muito decepcionante no meu último emprego, uma gestora de EHS sem conhecimento algum. Nem com formação na área de segurança.
      Porém a empresa nomeou a mesma para cuidar da área. Ou seja as empresas estão infelizmente dimensionando seu sesmt por conta própria sem profissionais capacitados então o assunto em destaque já vem ocorrendo no mercado.

      • Herbert Bento

        Francisco, obrigado pelo comentário.

    • SIDNEY ALEXANDRINO DA Silva

      Oi Hebert! Assunto relevante diante das mudanças que estão ocorrendo em alguns Ministérios deste governo. Bem, entendemos que o dimensionamento do Sesmt, de acordo com a NR 4, é resultado de muitos estudos e pesquisas antes de ser aprovado. O governo atual não demonstra está interessado com a saúde do trabalhador, mas sim em favorecer o empresário, com a desculpa de criar mais emprego. Se o empregador decidir sobre o número de profissional que deverá compor o Sesmt, cria abertura, para que os mesmos, precionem o governo a fazer o mesmo com as outra Nrs. Momento dos Sesmts se posicionarem!

      • Herbert Bento

        Sidney, obrigado pelo comentário.

    • Pedro Alexandre Mendes Neto

      Amigo Herbert, deve continuar o QUADRO como está. Porém fica a critério da empresa se deve aumentar ou não, mas que a lei seja cumprida, porque a demanda de responsabilidade do TST é alta. Abraço!

      • Herbert Bento

        Pedro, obrigado pelo comentário!

    • Rita de Cássia Rodrigues

      Na minha opinião poderia deixar o quadro como está e acrescentar o psicologo e o fisioterapeuta

      • Herbert Bento

        Rita, obrigado pelo comentário.

    • SONIA MARIA CARVALHO LEAL

      Tema difícil. Porque as empresas de modo geral não pensam na saúde e prevenção do colaborador.Este quadro da Norma Regulamentadora 4 dize também quantos técnicos devem ser contratados mal contratam um técnico quando deveria contratar 2 . Por isso têm tantos profissionais desempregados no mercado. O adoecimento devido a sobrecarga de trabalho está crescendo dentro dos ambientes de trabalho e devido a uma maior cobrança dos empregadores. Esquecem que um bom resultado será obtido quando se aplica na prevenção de doenças que em alta nos atuais: depressão, doenças causadas por sobrecarga de trabalho, síndrome do túnel do carpo e outras. Na verdade prevenir com toda certeza leva ao sucesso tanto tanto para o trabalhador quanto para o empresario. Por na minha opinião deveria se aumentar o número de profissionais deste quadro e diminuir, a visão deve ser crescente e não regressiva. OBRIGADA.

      • Herbert Bento

        Sonia, obrigado pelo comentário.

    • Josemir Oliveira

      Bom dia a todos !

      Infelizmente com esse governo que está aí, é muito fácil de responder essa pergunta com relação ao SESMT. É notório que a prioridade dele é privilegiar os empresários, logo, para as empresas que veem o SESMT apenas como obrigação, irão declarar apoio à decisão de acabar com o SESMT. Eu sou TST há 07 anos e estou partindo para formação em outra área desde a posse desse cara que está no governo do país, ao qual não considero presidente. Não me sinto seguro na área de segurança do trabalho com esse governo.

      • Herbert Bento

        Josemir, obrigado pelo comentário.

    • Jefferson

      Bom dia a todos realmente esta causando uma agitação principalmente entre nós,estudantes de TST, o que faço agora assiduamente é seguir esta pagina e demais sérias, sobre o assunto. Hoje mais que antes precisamos buscar artigos diariamente e seguir profissionais que estão empenhados sobre.

      • Herbert Bento

        Jefferson, obrigado por seguir nosso trabalho. Fico feliz em poder ajudar. Abraço!

    • thiago gois.

      Bom na minha opinião o governo não deveria mexer no que esta bom, boa parte desses políticos ou tem empresas ou alguma ligação , por isso estão querendo Modificar o sesmt, vamos ser realista vocês acham mesmo que se deixa a cargo do empregador decidir quantos profissionais ele tem que contratar, vocês já sabe a resposta, um técnico para 500 funcionários ou mais, então amigos temos que nos unir de alguma forma contra qualquer tipo de mudança que só tem em vista beneficiar uma pessoa o empregador.

      • Herbert Bento

        Thiago, de fato, isso é um risco caso caia o dimensionamento.

    • Ismael J. Santos

      Bom dia caro colega de profissão
      de fato estamos vivenciando dias de tensões no que se refere a segurança e saúde do trabalho. porem acredito que o governo tem estudado a questão da probabilidade de aumento de auxilio doenças, pensão por morte, invalidez, entre outros fatores que são diretamente proporcional a ocorrência por flexibilizar o SESMT nas empresas.
      às empresas devem ser fomentadas pelo governo e entidades multiplicadoras de informações da importância do SESMT no controle de “PERDAS”. onde a gestão estratégica e tática das instituições devem inserir o SESMT em seu processo como custo e não como despesas.
      desta forma, haverá crescimento da economia, redução no adoecimento, melhoria no relacionamento empresa x SESMT e a classe sera valorizada.

      • Herbert Bento

        Ismael, obrigado pelo comentário.

    • Antonio de Jesus Lima

      Olá bom a todos, venho sempre acompanhando algumas matérias que vc posta e faz chegar até nosso conhecimento Herbert, é de grande importância esse seu trabalho. Mas em relação a essa matéria que estão cogitando o fim do SESMT, sinceramente não sou partidário, não tenho nenhuma preferência de partidos políticos, agora o que eu acho que esse governo está fazendo e parece que não tem ninguém que é capaz de frear ele, o que eu acho é que ele está acabando com tudo, tirando direitos dos trabalhadores, tirando direito social, tirando direito previdenciário, tirando direito de ir e vim. Isso é democracia, então vai voltar a ditadura e toque de recolher, Vc já prestou atenção que o tal presidente se um funcionário dele federal no caso, descordar, ou dar uma opinião, ele logo substitui, e coloca logo um militar no lugar, não vamos nos enganar ele vai acabar com tudo, só que a respeito da nossa AMAZONAS ele se deu mau, por que os presidentes dos Países de primeiro mundo sabem falar e sabem investir no meio ambientes, e esse tal de presidente do Brasil, fala dez palavras e nove são mentiras, fala não que, que a maioria do povo não entende nada, se ele late ou rincha, mas um dia a casa cai. Pois é, precisou países de fora pra poder dar um basta nele sobre a amazonas, porque às Instituições e poderes daqui do Brasil, não tiveram coragem, abraço.

      • Herbert Bento

        Antonio, obrigado por comentar.

    • Antonio Meira de Souza

      Creio que deve continuar o QUADRO como está. Porém fica a critério da empresa se deve aumentar ou não, mas que a lei seja cumprida.

      • Herbert Bento

        Antonio, obrigado pelo comentário.

    • Diogo Martins Ribeiro Filho

      Olá Amigos Prevencionistas. Estou propenso a adotar o pensamento libera; desde que os bons costumes, a tradição regional, a moral, a conduta ética, o respeito às desigualdades e as leis sejam obedecidas. O homem não se pode degradar por causa do trabalho, mas, sim, deve “tornar-se mais homem no trabalho”.

      • Herbert Bento

        Diogo, obrigado pelo comentário. Uma coisa é o pensamento liberal na economia. Outra coisa são os costumes. Concordo que o “homem não se pode degradar por causa do trabalho” e, a meu ver, é isso que ocorre na sociedade de hoje. Nem tanto por riscos tradicionais, mas também pelos psicológicos. A pressão por “ser bem sucedido” está deixando muitas pessoas doentes da cabeça!

    • genilsondiasouza@gmail.com

      Bom a meu ver, em relação ao dimensionamento do SESMT acredito que o mesmo deve ser mantido pois de acordo com o que sabemos e lidamos como profissionais da área muitas empresas só fazem as contratações dos respectivos profissionais devido a uma obrigatoriedade e com isso podemos através do amparo legal conseguirmos com muita luta de trabalho implantarmos as condições minimas de segurança no trabalho e isso sabendo nós que com a prevenção de acidentes a empresa só tende ao crescimento pois se economiza em uma serie de gastos que poderiam ser gerados devido a eventuais ocorrências. Quando não se dimensiona deixa em aberto para a empresa poder contratar independente do quadro de funcionários a quantidade do profissional do SESMT para o seu atendimento e muita das vezes tornando se inviável para o profissional por não se conseguir atender ao publico e ele se tornando uma propaganda enganosa em se tratar dos investimentos da empresa na prevenção de acidentes.

      • Herbert Bento

        Genilson, obrigado pelo comentário.

    • Juliana

      Bom dia Herbert, tudo bem? Eu penso da seguinte forma… Não creio que tantas mudanças como as que estão sendo impostas devam funcionar, pq a cultura de muitas pessoas e empresários em relação a segurança e saúde do trabalhador é besteira, é dinheiro perdido, e ouso dizer que até a forma de pensar do atual presidente é fraca nesse assunto. Por que digo isso, é simples, antes de tantas mudanças e argumentação xucra como, “essas mudanças iram gerar mais empregos” é idiota demais, me perdoe dizer assim, mas basta olhar para o lado, os acidentes estão dobrando, pq estão relaxando ainda mais nesse assunto, pq estão entendo não ser obrigatório, sendo que estão na CLT, logo tudo voltará ao normal, como era antes, veja, as empresas fazerem da forma que acham desde que atendam as leis, da forma que é fiscalizado, creio que não serão feitos, apenas qdo algo acontecer e precisarem de ajuda, é que será visto a tamanha importância do quadro de SESMT entre outras NRs.

      • Herbert Bento

        Juliana, obrigado pelo comentário.

    • JOSE ANTONIO DE ALMEIDA

      Na minha humilde opinião, o mercado de trabalho para Técnico e Engenheiro de Segurança vai exigir mais qualificações dos profissionais e quem se aperfeiçoar mais terá vaga garantida.

      E como diz no texto! Numa economia aberta, os melhores profissionais saem na frente. Disso eu não tenho duvidas.

      • Herbert Bento

        Jose, quanto a isso não tenho dúvida. Obrigado pelo comentário.

    • Cesar Arruda

      No meu entendimento, todas as profissões passamos por reformulações quando não extinção. No caso do TST, não acho que irá acabar mas sim evoluir e se aprimorar. Concordo que o quadro da NR 4 é um tipo de garantia de vagas pra muitos porém, acho limitador pois, o empresário vê esse quadro como uma obrigação e ofusca a real necessidade e valor da área de SST. Na minha visão, acabar com esse quadro seria o ideal e desatrelar o seguro de acidente do INSS privatizando e aumentando as taxas cobradas por acidente e doenças do trabalho das empresas daria um impulso muito maior na nossa área como uma valorização aos profissionais os forçando a cada vez mais se qualificarem para estar no mercado. A área de SST é muito mais do que apenas acidente e doenças do trabalho, é também, organizacional, ambiente de trabalho, motivacional, educacional, ajuda no aumento da produção, facilitador etc. Neste caso, acredito que nossa profissão de TST irá crescer e se desenvolver e se tudo der certo termos tempos muito proveitosos.

      • Herbert Bento

        Cesar, muito legal o seu ponto de vista. Obrigado.

        • Gilberto Silva

          Boa tarde! Herbert olha se p governo que esta ai deixa a responsabilidade da contratação dos TST pela empresas talvez algumas empresas que tenham responsabilidade e não queiram sofrer ações judiciais por acidentes do trabalho elas iram continuar com a política de saúde e segurança, mais o governo deverá criam mecanismo para o caso houve acidente de trabalho e a empresa não tenha o profissional em TST ela deverá ser multada por omissão.

          • Herbert Bento

            Gilberto , obrigado por comentar.

    • Bom dia Colegas Sesmetianos! Concordo em números com o Herbert. Com as tendências atuais haverá uma regulação natural no mercado de trabalho de segurança do trabalho, assim como há em outras outras profissões. Todos nós prevencionistas, devemos intervir em estudos constantes, aperfeiçoar-se sempre, O mundo atual exige aperfeiçoamento continuado.

      • Herbert Bento

        Hugo, obrigado pelo seu comentário.

    • Marcelo Amalfi

      Hebert meu amigo bom diaa…….

      Me desculpe mas minha pergunta infelizmente não tem a ver com o artigo..

      Sou formado em Técnico em Segurança do Trabalho a mais de 2 anos em não consegui ainda entrar na área acredito eu por falta de experiência, o que devo fazer?

      • Herbert Bento

        Marcelo, a demanda do mercado de trabalho depende de muitos fatores, sendo a geográfica a mais importante. Se há vagas na sua região, mas você não encontra, eu recomendo desenvolver sua rede de contatos e estudar.

    • Sergio Luciano Rosa de Moura

      Legal seu artigo, bom para refletirmos um pouco, no entanto tudo ainda está muito indefinido, é claro que vai chegar a hora em que o governo vai bater o martelo, aí todos devem começar a refletir qual será o destino da NR-4. Particularmente acho a sua segunda hipótese mais plausível, caso ocorram mudanças. Vamos aguardar o desenrolar dos trabalhos, só aí é que devemos começar a nos preocupar. Grande abraço e parabéns pelo artigo.

    • Claudemir

      Bom Dia
      ótimo comentário, a respeito do dimensionamento do Sesmt eu sou a favor de incluir mais profissionais, tais como tecnólogos, fisioterapeuta,e psicólogos, Porem quando o governo fala em economia eu acredito que com mais profissionais de segurança vai diminuir os índices de afastamento gerando assim menos gastos na saúde. Dos colaboradores por afastamento(91).

      • Herbert Bento

        Claudemir, obrigado por comentar.

    • Edneia Aguiar

      Bom dia!
      Meu nome é Ednéia sou formada em Técnico em Segurança do Trabalho, trabalho a cinco anos nesta área mas até hoje não sou registrada como TST e sim como assistente, pois pelo dimensionamento do SESMT a empresa não necessita de TST. Acho um absurdo, tem que mudar isso. Tem que ser obrigado ter um TST independente da quantidade de funcionários o risco é o mesmo para dez ou 100 funcionários. Estou fazendo o serviço de um TST, com todas as responsabilidades mas não ganho como tal.

      • Herbert Bento

        Edneia, infelizmente, essa é uma triste realidade para muitos profissionais.

    • Valter Rubens

      Bom dia! Excelente assunto! Acredito que não seja bem isso que poderá acontecer, o fim do SESMT, pois esperávamos que haveriam mudanças dramáticas na NR12 e pelo que eu li e confrontei com a anterior não houve mudanças, apenas aumento de prazos. Na verdade até se aumento o grau de exigências da NR12.
      Acredito que o melhor para a segurança dos profissionais seria a diminuição da quantidade de funcionários para a contratação do Tst e o aumento da carga horário do Eng, pois somente 4 horas dentro de uma empresa não ajuda para resolver os assuntos de Segurança do Trabalho.

      • Herbert Bento

        Valter, obrigado pelo comentário.

    • Oscar

      Sim sera o fim do dimensionamento se a empresa nao tem obrigação não contrata ou contrata o minimo somente algumas empresas que vem segurança como prevenção e menor custo vão contratar

      • Herbert Bento

        Oscar, obrigado pelo comentário.

    • Herbert Bento

      Tema polêmico hoje. Tenho mais dúvidas do que respostas. Digite aqui sua opinião. Abraço!

      • Gabriela

        Na minha opinião já deveria ter acabado faz tempo.
        O brasileiro tem que aprender a trabalhar com gestão, verificar o que acontece dentro da empresa de fato com relação a adoecimentos, acidentes, registros de ocorrências, treinamentos e tomar as ações devidas porque não foi citado, mas o dimensionamento não interfere diretamente no FAP da empresa, no número de afastamentos e custos com contratação de substitutos.
        O que de fato interfere são as ações preventivas tomadas em campanhas, conscientizações, comportamento adequado (seguro) e treinamentos. Aí sim, contratar profissional qualificado para agir em prol do SST.

        • Herbert Bento

          Gabriela, grato por seu comentário.

Use o campo abaixo para deixar sua dúvida, elogio ou sugestão!

Digite seu comentário abaixo. Depois digite seu nome e e-mail (seu e-mail não vai aparecer para outras pessoas).