Falar sobre descarga eletrostática é algo muito relevante dentro da segurança do trabalho.

Porém, infelizmente, esse assunto é deixado de lado muitas vezes.

Isso não ocorre só por falta de conhecimento, mas muitas vezes pela pressa em se fazer os procedimentos, deixando de lado a segurança.

A necessidade (e obrigatoriedade) do treinamento fica mais do que claro e evidente na legislação que visa garantir as diretrizes mínimas para o desenvolvimento das atividades diárias com segurança.

Nesse artigo técnico abordaremos um pouco mais sobre esse assunto que pode facilmente passar despercebido quando o tema é segurança do trabalho.

Aqui embaixo você vai ver também um vídeo onde você terá a oportunidade de ver uma centelha!

Continue lendo esse artigo e aprenda mais sobre esse tema tão relevante para nós da área de SST.

O QUE É A DESCARGA ELETROSTÁTICA

Diferente dos líquidos explosivos, a descarga eletrostática é uma ameaça silenciosa e invisível.

Isso faz dela algo muito mais perigoso que qualquer outra forma de ignição, uma vez que evitar esse risco invisível é mais difícil.

Mas o que é a descarga eletrostática?

Bem, esse fenômeno acontece quando há transferência de energia entre 2 objetos de cargas diferentes.

Uma forma de “sentir” essa descarga é na forma de choque elétrico.

Outra forma de presenciar é através dos raios durante uma tempestade.

Esse evento também pode acontecer no chão da fábrica, por exemplo, seja pela eletrização por contato, eletrização por indução, dentre diversas outras.

Por isso, nas unidades industriais, os tanques precisam estar aterrados, para que não se acumule eletricidade estática.

Pelo mesmo motivo, quando um caminhão tanque vai descarregar em um posto de gasolina, é necessário usar o aterramento.

A NR 10 E OUTRAS MEDIDAS DE SEGURANÇA

Agora que já sabemos do que se trata a descarga eletrostática, podemos olhar para a legislação vigente.

Nos referimos a Norma Regulamentadora NR 10 que trata sobre segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Trata-se de uma norma extremamente técnica e difícil, porém, recomendo que todo profissional de segurança do trabalho tenha conhecimento sobre ela. 

Nessa NR fica disposto em seu artigo 10.9.2 que “ambientes com atmosferas
potencialmente explosivas devem ser avaliados quanto à sua conformidade, no âmbito do Sistema Brasileiro de Certificação”.

Um caso importante que ressalta a importância da observação desse componente foi o acidente que aconteceu em 22 de agosto de 2003.

Nesse dia, o Veículo Lançador de Satélites brasileiro explodiu matando todos os trabalhadores no local ao ser prematuramente acionado para colocar 2 satélites em órbita.

O relatório da aeronáutica sobre o incidente relevou que as duas possíveis causas do acidente foram corrente elétrica ou descarga eletrostática.

É possível verificar a matéria completa no site do G1.

O QUE PODE SER UTILIZADO PARA DIMINUIR A PROBABILIDADE DE DESCARGA ELETROSTÁTICA

Existem diversos Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva (EPIs; EPCs) que são amplamente utilizados a fim de evitar problemas, seja no trabalho minucioso como na fabricação de peças eletrônicas ou mesmo no transporte de líquidos inflamáveis.

Até mesmo ao abastecer um avião preocupa-se com a energia eletrostática adquirida durante o voo.

Quanto aos equipamentos que podem ser utilizados para essa finalidade:

  • Jaleco antiestético;
  • Calcanheira dissipativa;
  • Manta antiestética;
  • Luva antiestética;
  • Pulseira de aterramento.

Esperamos que esse conteúdo tenha serviço para te alertar a respeito da importância de considerar a possibilidade de descarga eletrostática!

Continue sempre se especializando em segurança do trabalho acompanhando nossa seção de artigos técnicos!

ah sim … quer ver uma descarga elétrica?

Assista o vídeo abaixo (fonte: canal da Escola da Prevenção no Youtube)

Gostou do artigo? Deixe seu comentário aqui embaixo.


Herbert Bento
Herbert Bento

Esse artigo foi publicado pela Equipe da Escola da Prevenção. Gostaria de debater conosco sobre esse assunto? Então venha conversar conosco no Grupo Elite da SST no WhatsApp.

Comentários

    27 comentários sobre "Descarga eletrostática: risco invisível?"

    • José Wilson Furlan Gallo

      Caro Hebert,
      Sou engenheiro eletricista com especialização em proteção contra descargas atmosféricas e aterramentos e engenheiro de segurança do trabalho, infelizmente o assunto eletricidade estática não é tratado com a devida atenção seja nos cursos de engenharia elétrica ou de segurança do trabalho. A nova edição da NR 10 procurou dar mais enfase ao assunto, mesmo assim, deixa muito a desejar, somente nos cursos para instalações em áreas classificadas, potencialmente explosivas ou inflamáveis o tratamento sobre faiscamentos e estática é tratado com profundidade, infelizmente esses cursos são caros, número de vagas limitadas e normalmente são ministradas no Rio de Janeiro tornando-se inviável para muitos profissionais.
      Parabéns!
      Há muitos anos desenvolvo meus trabalhos em áreas classificadas, sempre deparamos com novas situações e ganhamos novas experiências.
      Achei muito importante o material que vc disponibilizou, a troca de informações enriquecerá muito mais.

      • Herbert Bento

        Olá Jose Wilson! Obrigado pelo seu comentário! Com certeza agregou muito aqui na nossa discussão sobre esse tema!

      • Ederson Temoteo

        Olá José Wilson. Aqui quem fala é o Ederson Deda. Muito boa essa contribuição sua. Eu mesmo tive dificuldade de encontrar uma empresa para um trabalho com energia estática. Isso só confirma o que você disse. Grato pela ajuda.

    • Joseph

      Sensacional esse artigo super recomendo.

      • Herbert Bento

        Obrigado Joseph!

    • Rogério Pereira de Eleotério

      Ótimo artigo. Muito esclarecedor e interessante. Devemos sempre nos ater aos perigos que nos cercam em nosso dia-a-dia.

      • Herbert Bento

        Rogério! Obrigado pelo comentário e pelo elogio!

    • Éder Loureiro de Sena

      Boa noite Bento!
      Preciso de uma orientação a respeito de energia eletrostática remanescentes de bobinas de EPS, Um dia desses sem mais nem menos uma se auto inflamou quando estava em operação, como podemos implementar uma prevenção.
      Nós trabalhamos com Laminadora, Extrusora e Termoformadora.

      • Ederson Temoteo

        Fala Éder, tudo bem? Aqui é o Ederson Gerente de conteúdo da Escola da Prevenção.
        A energia eletrostática que você mencionou, ou também conhecida como eletricidade estática nada mais é do que energias em repouso.
        Eu estava com um problema idêntico ao seu na empresa que trabalho como técnico de segurança com um maquinário. A minha solução foi instalar no chão , tapetes de borracha, que se tornaram piso isolador e aterrar o equipamento lançando as energias estáticas no solo. Veja se consegue fazer isso. Veja se isso pode ser implementado aí em seu maquinário por uma empresa especializada.

    • Patricia Andrade

      ótimo artigo…Não tinha ouvido falar sobre o assunto até o momento.
      Irei me afundar no conhecimento!!! Vcs arrasam como sempre.
      Parabéns e obrigada!

      • Herbert Bento

        Legal Patricia, que bom! Pelo menos abre sua mente sobre o assunto! Esse tema é muito importante!

    • Anônimo

      Muito bom artigo, bem esclarecedor Obrigado

    • Marcelo Andrade

      Meus parabéns muito bom o trabalho de sua equipe

      • Herbert Bento

        Obrigado Marcelo!

    • Adelino F. de Souza

      Bom dia.
      Gostei muito das dicas importantíssimas, principalmente para nós prevencionistas que lidamos e protegemos vidas dentro e fora do seu ambiente natural. As vezes deixa-se passar despercebido por costumes em lidarmos com situações simples e aí que mora o perigo. Então a prevenção vem em primeiro lugar, não devemos esquecermos nunca.

      • Herbert Bento

        Adelino, muito obrigado pelo elogio! Ficamos felizes por ajudar!

    • josé luiz da silveira ballock

      oláa
      Sou eletrotécnico, especialista em manutenção de equipamentos de potencia em Alta-Extra Alta Tensão. e presenciei muita muita descarga eletro-estática, em indústria de borracha, equipamentos de medição, vibração eólica de linha de transmissão, painel de medição etc.
      Gostei do vídeo, do comentário sobre a NR-10 e do comentario sucinto sobre a questão da eletro-estática, que é muito mais seria do que imaginamos.
      Atenciosamente,
      josé luiz da silveira ballock
      Niteroi, RJ

      • Herbert Bento

        José, que experiência bacana vocÊ tem! Obrigado por comentar!

    • Sasha Muller

      Ótimo material

      • Herbert Bento

        Muito obrigado Sasha!

    • Jessica

      Amo seus post, os e-mails que me envia. Excelente profissional.

      • Herbert Bento

        Valeu Jéssica!

    • Fabiano

      muito bom este artigo muito obrigo por nos manter sempre orientados !!!!

      • Herbert Bento

        Obrigado Fabiano!

    • Herbert Bento

      Olá! Deixe seu comentário aqui embaixo!

      • Afonso Figueira

        Muito boa a informação, e a dica para especialização à NR 10.
        Parabéns pelo canal, ta me ajudando muito.
        Obrigado

        • Herbert Bento

          Obrigado Afonso!

Use o campo abaixo para deixar sua dúvida, elogio ou sugestão!

Digite seu comentário abaixo. Depois digite seu nome e e-mail (seu e-mail não vai aparecer para outras pessoas).